Dimensão 22

O novo projeto da FAB: Dimensão 22






Entenda

A Dimensão 22 corresponde a uma área de 22 milhões de km2, um cenário tridimensional fabuloso que a Força Aérea Brasileira protege por meio das ações de ControlarDefender Integrar.









Controlar

Controlar diz respeito à responsabilidade da Força Aérea Brasileira pelo controle de voos no espaço aéreo brasileiro. Em cumprimento a acordos internacionais, o Brasil é, também, responsável por controlar voos além do continente, sobre o Oceano Atlântico, totalizando 22 milhões de km2. Ainda, em toda essa área, a FAB cumpre missões de busca e salvamento para localizar e salvar pessoas em perigo na terra ou no mar.






Defender

Defender refere-se à garantia da soberania do espaço aéreo, que inclui todo o território brasileiro e suas fronteiras, além da zona econômica exclusiva, totalizando 12 milhões de km2. Com unidades operacionais em regiões estratégicas, a FAB defende essa área utilizando sua estrutura de defesa aérea por tipos de aviações: Caça, Transporte, Patrulha Marítima, Reconhecimento, Asas Rotativas e Alerta Aéreo Antecipado. Além da aviação, utiliza ações terrestres de CONTRATERRORISMO, de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e de Defesa Antiaérea.






Integrar

Integrar o território nacional também é missão da FAB. Grande parte das aeronaves da FAB proporciona a integração do Brasil em diferentes missões. Ajuda humanitária, ações cívico-sociais, transporte de pessoas e suprimentos, transporte de órgãos e de urnas eleitorais, evacuações aeromédicas, e construção de pistas são algumas das ações que levam direitos fundamentais à população carente em regiões de difícil acesso do País.






Projetos

Conheça alguns dos projetos da Dimensão 22.

1° Projeto: Aeronave Gripen

O caça sueco de múltiplo emprego Gripen NG é um modelo supersônico monomotor projetado para missões ar-ar, ar-mar e ar-solo sob quaisquer condições meteorológicas. A FAB receberá 36 unidades da nova aeronave até 2024 para atuar na Defesa Aérea da Dimensão 22.

A versão brasileira, desenvolvida em parceria com empresas locais, contará com modernos sistemas embarcados, radar de última geração e capacidade para empregar armamentos de fabricação nacional.

Em termos estratégicos, representa a possibilidade de entrada do Brasil como parceiro em um programa de alta tecnologia. Haverá reflexos duradouros para a indústria de defesa nacional, com foco na transferência de tecnologia para o País.





2° Projeto: Aeronave KC 390

A produção do KC-390 tem por objetivo o desenvolvimento de aeronaves de transporte militar e reabastecimento em voo para substituição dos Hércules C-130.

KC-390 será capaz de operar em pistas não pavimentadas em qualquer local do planeta, como a Antártida, a Amazônia e o Pantanal. Seus sistemas de autodefesa o tornarão menos suscetível a ameaças em ambiente hostil. Deve constituir-se em uma das mais importantes ferramentas da FAB para cumprir sua missão constitucional na Dimensão 22 de prover mobilidade estratégica às Forças de Defesa do Brasil.

O desenvolvimento dessa nova aeronave posicionará o Brasil como protagonista entre os fabricantes de equipamentos de defesa no mundo, além de possibilitar exportações de um produto de alto valor agregado.






3° Projeto: O Programa espacial

Segundo a Estratégia Nacional de Defesa, a FAB é também responsável pelo desenvolvimento de projetos no Setor Aeroespacial, assim como a operação e o monitoramento de satélites. Em vista disso, o Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE) estabelece a estratégia de implantação de sistemas espaciais de defesa com uso integrado - militar e civil.

PESE permite que as operações das Forças Armadas tenham o necessário suporte das aplicações espaciais de forma coordenada e integrada. Além disso, traz benefícios diretos e indiretos a todas as ações de governo em prol da sociedade brasileira.

O Brasil, no contexto da Dimensão 22, não pode prescindir do uso do espaço para benefício de sua sociedade e aprimoramento de seus sistemas de defesa. Incluir o País num cenário global onde poucos detêm a capacidade gerencial, operacional, tecnológica e industrial para fazer uso do espaço requer esforço coordenado entre diversos segmentos da sociedade, a fim de conquistar a independência do Setor Aeroespacial brasileiro.





EXPOAER 2017 na Base Aérea de Canoas SBCO

EXPOAER 2017

   O evento EXPOAER: Portões Abertos ao público focado para as crianças, será realizado na Quinta-feira, 12 de outubro às 10:00 - 18:00.

Será um dia repleto de atrações, dentre elas:
*Esquadrilha da Fumaça;
*Exposição de Aeronaves;
*Aeroclubes;
*Apresentação da Banda de Música da Base Aérea;
*Praça de Alimentação;
*Food Trucks;
*Expositores diversos;
*Brinquedos Infláveis e muito mais...

Tudo isso em um local seguro, bem localizado e com entrada e estacionamento GRATUITOS.




Aperte na Imagem para acessar o evento pelo o Facebook.

Comac C919 vem para ser o novo concorrente da Boeing e Airbus

O Comac C919

   A aeronave C919 é uma grande aeronave de aviação civil desenvolvida de forma independente pela China de acordo com os regulamentos da aviação civil internacional e possui direito de propriedade intelectual independente.

   A aeronave C919 tem um layout de 158 a 168 assentos e uma faixa de 4.075 a 5.555 quilômetros. Até agora, a demonstração do projeto, estudo de viabilidade e pré-desenvolvimento foram concluídos, o programa entra na fase de desenvolvimento de engenharia e o design detalhado foi concluído.

   Além disso, o programa C919 fez grandes avanços em design de engenharia, teste, fabricação, avanço tecnológico chave e cooperação em Joint Venture de Sistemas Aéreos. O teste na plataforma de teste de aves de ferro foi iniciado, o teste estático da junção ASA-fuselagem foi concluído com sucesso e os componentes foram colocados em produção.

   Grandes seções, como nariz, FW Fuselagem e MID Fuselage / CENTER WING, foram lançados em sucessão, e estrutura de montagem do primeiro avião foi oficialmente iniciado.

   A primeira aeronave foi lançada em 2 de novembro de 2015. Em 5 de maio de 2017, o C919 fez o primeiro voo de teste. Foram obtidos um total de 600 pedidos de 24 clientes.








Avião Do Governo Da Venezuela Cai No Mar com 9 pessoas abordo.

Avião Do Governo Da Venezuela Cai No Mar com 9 pessoas abordo.

   Um avião executivo Gulfstream III, caiu no mar, próximo da Península de Macanao, na ilha de Margarita, nesta terça dia 4 de julho. Com nove pessoas abordo.

   A aeronave estava ao serviço da Vice-Presidência do Governo Bolivariano da Venezuela e era operada pelo ‘Servicio Coordenador de Transporte Aéreo do Ejecutivo Nacional’, também designado por ‘SATA – Servicio Autonómico de Transporte Aéreo’.

   O ministro do Interior da Venezuela, major-general Néstor Reverol, disse ao fim da tarde que o avião tinha partido do Aeroporto Santiago Mariño, na cidade de Porlamar, em Margarita, uma ilha que está situada a cerca de 285 quilômetros a noroeste de Caracas, e que se dirigia para o Aeroporto Internacional Simón Bolívar, em Maiquetia, no Estado Vargas, que serve a capital venezuelana e é o mais importante do país.

   Segundo o ministro Néstor Reverol o avião teve uma avaria no sistema de controlo de voo logo que descolou da ilha Margarita e tentou retornar ao aeroporto. Depois de algum tempo sobre o mar, gastando combustível para um pouso de emergência com menor risco, a tripulação foi surpreendida pela queda do aparelho, que ao amarar se quebrou em duas partes, quando estava a cerca de 40 milhas do aeroporto. O piloto tinha alertado a Torre de Controle de Porlamar de que tinha um problema grave no sistema hidráulico, quando ainda estava a cerca de 3.000 pés de altitude (900 metros).

   Equipes dos serviços de socorro, de busca e salvamento, marítimo e aéreo, deslocaram-se para o local, na esperança de encontrar os ocupantes do aparelho. Segundo se sabe apenas conseguiram identificar o possível local onde o avião tinha caído , pois viram sobre a água diversos destroços, ainda não identificados.

   Não ouve comunicado de quem estaria abordo da aeronave Gulfstream 3.







Acidente aéreo mata 4 pessoas em Roraima

Acidente aéreo mata 4 pessoas em Roraima e deixa um em estado grave

   Quatro pessoas morreram nesta segunda-feira dia "3" na queda de um avião monomotor que prestava serviços ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Cantá, ao sul de Boa Vista, em Roraima.

   O único sobrevivente da queda  é de Santos. Lazlo Macedo de Carvalho, de 44 anos, atua como analista ambiental do escritório do Ibama na Baixada Santista e foi socorrido em estado grave após o desastre aéreo. Ele teve 54% do corpo queimado.

   A vítima foi transferida nesta terça-feira dia "4", para o Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG), no Rio de Janeiro.

   O Ibama informou, em nota, que o acidente resultou na morte do piloto Marcos Costa Jardim e dos agentes ambientais federais Olavo Perim Galvão, Alexandre Rochinski e Sebastião Lima Ferreira Júnior.

   A aeronave seguia para a Terra Indígena Yanomami, em Roraima. Ibama e Exército realizam na região a Operação Curare VIII, de combate a garimpos ilegais, desmatamento e outros ilícitos transfronteiriços. Por meio de nota, o órgão ambiental informou que se solidariza com parentes, amigos e colegas de trabalho.

   “O Ibama informa que está de luto. Não é fácil aceitar a morte de colegas que vivenciam conosco a luta diária pela causa ambiental. Nossos mais sinceros sentimentos às famílias pela irreparável perda sofrida hoje”, disse a presidente do Ibama, Suely Araújo“.

   A Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) informou que o estado de saúde de Lazlo Macedo de Carvalho é estável. Ele está em coma induzido, entubado e acoplado à ventilação mecânica.


O modelo da aeronave era um Cessna 210




Novo sistema de controle Aéreo em Vitória

Aeroporto de Vitória agora passar a utilizar o novo sistema Sagitário 

   FAB, Infraero e Atech apresentaram novo sistema de Controle de Tráfego Aéreo. O sistema garantirá mais segurança.

   Em conjunto com a Força Aérea Brasileira (FAB), Infraero e Atech, empresa do Grupo Embraer, o Centro de Controle de Aproximação de Vitória (APP-Vitória), passa a operar com o novo sistema automatizado de Controle de Tráfego Aéreo a partir deste mês.

   Além do Sagitário (Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações e Tráfego Aéreo e Relatórios de Interesse Operacional), desenvolvido pela Atech em parceria com a FAB e que passa a operar a partir deste mês, o APP-Vitória recebeu, por intermédio da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), o radar RSM970, instalado na Área de Controle Terminal de Vitória (TMA-VT). Com isso, o Sagitário também será responsável por receber e tratar as informações obtidas pelo radar.

   A implantação de um Sistema de Vigilância Radar, por definição, possibilita ao controlador acompanhar os tráfegos que estejam evoluindo na área terminal, tornando mais fácil a tarefa de manter um fluxo de Tráfego Aéreo seguro e ordenado. Dessa forma, será possível aplicar uma menor distância de separação entre as aeronaves e, consequentemente, alcançar menores tempos de voo, contribuindo para um decréscimo de consumo de combustível e para um acompanhamento contínuo da trajetória dos voos nos diversos setores da área terminal de Vitória.

   O Sagitário marca a evolução do sistema de Controle Aéreo no Brasil, por empregar uma solução inovadora para a comunicação, navegação e vigilância na gestão do espaço aéreo brasileiro. O sistema, inclusive, foi um grande aliado das autoridades brasileiras durante a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos Rio 2016. Com ele, o país conduziu com sucesso o transporte aéreo para os dois eventos mundiais, mantendo o nível de segurança e eficiência das operações, mesmo com o grande aumento no fluxo de aeronaves no espaço aéreo brasileiro.

   O sistema atua desde o momento que antecede decolagem até o estacionamento da aeronave no aeroporto de destino. Além disso, ele possibilita que todo foco de ação do Controlador de Tráfego Aéreo esteja sempre voltado à sua área de trabalho, aumentando significantemente sua consciência situacional. O Sagitário foi desenvolvido com a participação dos controladores, profissionais que atuam na linha de frente do controle das aeronaves, e disponibiliza um conjunto de ferramentas operacionais de apoio à tomada de decisão mais objetiva e ágil, seguindo as melhores práticas e recomendações existentes no mercado internacional, dentre elas os sistemas especificados pela Eurocontrol (Organização Europeia para a Segurança da Navegação Aérea).

   No Brasil, com a inauguração em Vitória, já são 15 centros de controle de voo operando com o sistema: 4 ACC (Centro de Controle de Aérea), 9 APP (Centro de Controle de Aproximação) e o ICEA (Instituto de Controle do Espaço Aéreo), onde são formados os novos Controladores de Tráfego Aéreo.

O Sagitário vai permitir:

Maior precisão da localização das aeronaves
Mais segurança nos pousos e decolagens
Maior aproveitamento do espaço aéreo
Menor distância entre as aeronaves
Possibilidade de redução do tempo de voo






*EMERGÊNCIA* Um Boeing 733 da Sriwijaya Air não parou a tempo e varou a pista

Um Boeing 733 da Sriwijaya Air não conseguiu para a tempo e varou a pista do Aeroporto Internacional Manokwari

   O voo SJ-570 companhia aérea Sriwijaya Air , sofreu um acidente no Aeroporto Internacional de Manokwari durante a aterrissagem na pista 35 na meio de uma forte tempestade que atacou a região do Indonésia.

   O Boeing 737-300 com o registro de PK-CJC. Partiu do Aeroporto Domine Eduard Osok para o Aeroporto Domine Eduard Osok na Indonésia. A aeronave estava com 146 passageiros e seis tripulantes, que evacuaram a aeronave ás pressas. Nenhum dos ocupantes ficou ferido, mas a aeronave sofreu dados substanciais.








Glossário trilíngue da aviação é destaque em revista da OACI

Glossário trilíngue da aviação

   A ICAO Training Report, publicação da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), deu destaque a uma iniciativa desenvolvida conjuntamente pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). A reportagem “ANACpedia:  The New terminology Management System that Supports Training and Education” trata do glossário trilíngue de termos da aviação, uma espécie de aeropedia que contém definições e traduções de termos de aviação em espanhol e inglês.

   A base de dados está disponível na internet, gratuitamente, desde 2013. Atualmente, conta com cerca de 15 mil verbetes e siglas em inglês, português e espanhol. A iniciativa surgiu na ANAC e, desde 2014, tem a colaboração de tradutoras do DECEA, que contribuem com termos da área de controle de tráfego aéreo. Em dezembro de 2016 essa parceria foi formalizada por meio de um acordo de cooperação técnica (ACT).

   A ANACpédia consiste em seis dicionários que constituem fontes seguras de referências terminológicas e linguísticas na área de aviação: inglês–português, espanhol – português, inglês – espanhol, siglas em inglês, siglas em português e um dicionário de aviação exclusivamente em português.

   Para cada termo há uma ficha com a tradução do verbete para o idioma selecionado, que pode conter, além da definição, sinônimos, termos relacionados, uma ou mais fontes de referência, contextos de uso, subárea a qual o termo pertence e a imagem que ilustra o que é descrito. A inclusão dos termos relacionados permite que o pesquisador estenda a sua busca a termos e conceitos que tenham uma relação direta com a sua pesquisa, mas que eram desconhecidos até então.

   A base de dados utilizada para pesquisar as definições e traduções é formada por documentos técnicos de órgãos como a OACI, Federal Aviation Administration (FAA), Eurocontrol, DECEA, ANAC, Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e publicações especializadas em aviação nacionais e estrangeiras. No link “Corpus”, o usuário encontra a relação das fontes consultadas com mais de 1,3 mil itens.

   A ICAO Training Report é uma publicação especializada na capacitação e treinamentos relacionados à aviação civil e a edição que trata da ANACpédia pode ser acessada aqui. A reportagem “ANACpedia:  The New Terminology Management System that Supports Training and Education” está entre as páginas de 33 a 35.




Congonhas sofrerá intervenção para manutenção de taxiways

O Aeroporto de Congonhas passará por manutenção de taxiways

   O Aeroporto de São Paulo / Congonhas passará por intervenções nos próximos dias para a realização de manutenção corretiva nos pavimentos de algumas de suas pistas de taxiamento (taxiways).

   As obras serão realizadas sob a supervisão da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), administradora do aeroporto,  entre os dias 24 de maio e 22 de junho, ocasião em que serão utilizados desvios e taxiways alternativas para o acesso às cabeceiras 35L e 17R.

   O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) tem envidado esforços para que os possíveis impactos operacionais e a diminuição ocasional da capacidade de pista do aeroporto, decorrentes destas intervenções, sejam mitigados de modo que não haja impactos na circulação aérea ou prejuízos para os usuários.

   Do mesmo modo, o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a INFRAERO, o Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP), as empresas aéreas, dentre outras organizações, estarão atuando colaborativamente em prol da garantia da fluidez, pontualidade e segurança das operações.








Anúncio publicado no Site DECEA
Assessoria de Comunicação Social do DECEA

Secretaria de Aviação Civil anuncia construção de mais um aeroporto

Aviação Civil anuncia construção de mais um aeroporto no lugar de um aeroclube

   A Secretaria Nacional de Aviação Civil anunciou que a Ariquemes (RO) vai receber um aeroporto próprio. O objetivo com a construção é que a cidade passe a receber voos comerciais de outras regiões do Brasil. O aeroporto deve ser construído no local onde hoje funciona o aeroclube da cidade e vai custar cerca de R$ 30 milhões.

   O anúncio foi feito esta pelo secretário nacional da aviação civil, Dario Rais Lopes, durante visita no aeroclube. Na ocasião, ele explicou que a obra deverá custar aproximadamente R$ 30 milhões.

   " - Ariquemes tem uma desvantagem em relação das outras cidades. Aqui nós ainda não temos as licenças ambientais. Qualquer pessoa que falar que vai mexer, vai alargar a pista ou alguma coisa rapidinho, vai estar mentindo", explica Dario.

   O complexo do novo aeroporto deve ter um terminal com 11.000 m² e terá capacidade para atender 150 mil passageiros por ano. Também será feito um pátio de aeronaves, instalações para bombeiros e comunicação aeronáutica.

   Recentemente foi finalizada uma obra de recapeamento e pintura da pista atual. Segundo o. Departamento de Estradas Rodagens (DER), a obra de balizamento noturno deve começar agora em abril.

   O diretor geral do DER, Ezequiel Neiva, disse que o balizamento na pista atual não deve ser desperdiçado quando a pista receber o alargamento anunciado pela SAC.

   " - O balizamento nós não vamos perder. A única coisa que vai ser feito com nosso balizamento quando for aumentar a pista é alargar ele. Não vamos ter prejuízo", enfatiza.

   O presidente da Associação Comercial e Industrial de Ariquemes (Acia), Francisco Hidalgo, conta que a cidade perde investimentos econômicos por não ter um aeroporto comercial. "Com a viabilidade de ida e vinda, seja de empresários ou turistas, nós vamos enriquecer muito a nossa região gerando divisas e empregos", argumenta.

   Outras obras de construção de aeroporto em Ariquemes já foram anunciadas em anos anteriores. Em janeiro de 2013 o governo do estado chegou a anunciar a construção de um novo aeroporto, mas a obra nunca aconteceu.



Foto tirada do Google Maps

Lages proíbe voo livre no Morro

Lages proíbe voo livre no Morro da Cruz por risco a Tráfego Aéreo

   Os voos de parapente estão proibidos no Morro da Cruz, em Lages. A justificativa da Defesa Civil do município é que os saltos colocam em risco o Tráfego Aéreo do Aeroporto Federal Antônio Correia Pinto de Macedo. A medida tem causado polêmica no município.

   O secretário executivo de Proteção e Defesa Civil de Lages, Jean Felipe Silva de Souza, afirma que receberam reclamações do gerente do aeroporto, de um comandante de companhia aérea e do helicóptero Águia, utilizado pela Polícia Militar, de que os voos de parapente estavam atrapalhando os pousos e decolagens na região. A instalação de uma placa  determinando a proibição dos voos livres aconteceu em fevereiro deste ano na principal rampa da cidade, no Morro da Cruz.

   — Fomos lá e interditamos, até porque não tem rampa homologada para a prática de parapente, e oferecia risco, então coube a Defesa Civil interditar — afirma Souza.

   A proibição da prática de voo livre foi baseada em parecer técnico número 67613038961 emitido pelo Comando da Aeronáutica (COMAER).

   Marcos Arruda, integrante do Clube Serrano de Voo Livre e que voa há 14 anos no município, afirma que a prática acontece há cerca de 26 anos no Morro da Cruz. Ele diz que há 15 dias enviaram um pedido de homologação da rampa e delimitação de área de voo para o Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta II).

   — O aeroporto fica de leste a oeste e essa rampa fica a cinco quilômetros de distância e na outra direção. O pessoal não diferencia muito o paramotor do parapente. Começaram a comprar o paramotor e a voar em cima do aeroporto e acabou causando transtorno para nós — afirma Arruda, que acrescenta que são cerca de 30 pilotos cadastrados no clube.

   Ele lembra que tem dois atletas do clube que estão liderando três categorias do esporte no estadual e não têm área de treino:

   — Eles têm que sair da cidade para voar e isso impacta bastante. Além disso, é uma possibilidade de trazer turismo para a região e fazer eventos — defende.

    O Cindacta II ainda não respondeu sobre o assunto. O Processo ainda está em andamento.



Quatro Aeroportos do Brasil já foram leiloados

Os Aeroportos de Fortaleza, Porto Alegre, Florianópolis e Salvador

   Três empresas estrangeiros vão assumir as concessões dos quatro Aeroportos leiloados. O governo arrecadou R$ 3,72 bilhões com a concessão dos terminais de Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e Florianópolis.

   O investimento mínimo projetado para os quatro aeroportos juntos é de R$ 6,61 bilhões durante o prazo de concessão, que será de 30 anos (prorrogável por mais 5) , com exceção do aeroporto de Porto Alegre, cujo prazo é de 25 anos (prorrogável por mais 5).

   A disputa foi marcada pela participação exclusiva de empresas estrangeiros, que já administram grandes aeroportos no mundo. Nos leilões anteriores, as construtoras brasileiras foram as protagonistas e levaram os contratos. Os administradores de aeroportos estrangeiros tinham parcelas minoritárias - Guarulhos, por exemplo, foi vendido para um consórcio com 90% de participação da Invepar e apenas 10% da ACSA e Viracopos era liderado pela UTC e Triunfo e a administradora tinha 10% de participação.

Veja quem foram os vencedores da 4ª rodada dos leilões de aeroportos:




   A operadora alemã Fraport venceu a disputa pelos aeroportos de Fortaleza e Porto Alegre. Ela administra aeroportos em todos os continentes: cinco na Europa - sendo um deles o de Frankfurt, um dos mais modernos do mundo -, cinco na Ásia, dois na África e um na América Latina. Eles registram tráfego anual de mais de 99 milhões de passageiros.

   Em 2013, a empresa disse que considerava adquirir participações em diversos aeroportos, inclusive terminais no Brasil, mas não conseguiu arrematar a concessão de nenhum aeroporto brasileiro no leilão feito no final daquele ano.




   A Flughafen Zürich AG arrematou o aeroporto de Florianópolis. A empresa administra o maior aeroporto da Suíça, em Zurique, e registra circulação de 25 milhões de passageiros por ano, com quase 270 mil voos ao ano e 400 mil toneladas de carga transportada. Em 2012, disputou com o grupo CCR a concessão dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília, mas não levou nenhum projeto.

   Em 2013, o aeroporto de Confins foi arrematado por um consórcio formado pelas empresas Companhia de Participações em Concessões CPC, que é controlada pela CCR (75%), Zurich Airport International AG (24%) e Munich Airport International Beteiligungs GMBH (1%).




   Um dos maiores grupos de construção e concessões da Europa, o francês Vinci foi o vencedor do leilão do aeroporto de Salvador. A operadora chegou a avaliar a aquisição da fatia da OAS na Invepar, dona da concessão. O grupo vem buscando oportunidades para crescer em concessões de aeroportos no Brasil e na Indonésia.

   O grupo já está presente no Brasil há pouco mais de dois anos por meio do braço de energia - a Vinci Energies, baseada no Rio de Janeiro. A filial opera com as marcas Omexom (que atua na área soluções para geração, transmissão, transformação e distribuição de energia) e Actemium (de soluções para o mercado industrial e de infraestrutura). As empresas atuam nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco.

   A companhia, que opera atualmente 35 aeroportos no mundo, também está de olho em oportunidades na Indonésia e na Índia, onde vai enviar nas próximas semanas uma oferta para a construção de novo aeroporto de Mumbai.

   A Vinci tem avançado em concessões de mercados de expansão mais acelerada e mais lucrativos, como aeroportos e rodovias fora da França, bem como em acordos de engenharia em energia, como forma de responder à fraqueza do mercado doméstico.



Comunicação por texto entre Pilotos e Controladores Aéreos

Comunicação por texto entre os Controladores Aéreo começa a se difundir

   A tecnologia da comunicação digitalizada Data Comm de próxima geração, entre os Centros de Controle do Tráfego Aéreo (ATC) está ajudando a “dar apoio à segurança de voo e reduzir atrasos nas partidas de aeronaves” no Miami International Airport, conforme relatórios do Federal Aviation Administration (FAA).

   A nova tecnologia complementa a comunicação por voz ao permitir tanto aos controladores como aos pilotos, transmitir e receber informações importantes como liberações de operação, frequências, revisão de planos de voo e avisos, via mensagens de texto ao “toque de um botão”. Uma prática mais que conhecida e utilizada por milhares de usuários de celulares, mundo afora (texting).

   Para a FAA, Data Comm ajuda a manter as aeronaves em sua posição exata “na fila de espera para a decolagem” e, inclusive, passar à frente das outras, conforme determinação do ATC. A nova modalidade de comunicação elimina virtualmente os erros cometidos pela repetição exaustiva das mensagens de voz.

   Com a adesão do ATC no Miami International, chega a 55 o número de Torres de Controle de aeroportos que operam com o Data Comm.

   A Harris Corp. que conquistou o contrato do FAA para o programa Data Comm, afirma que 23.000 voos diários já se utilizam da nova tecnologia.





Helicóptero cai em Araucária com 4 pessoas abordo

Helicóptero cai em Araucária com 4 pessoas abordo

   Um helicóptero caiu por volta das 15h15 desta sexta-feira (17) em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. Segundo a Polícia Militar, o acidente aconteceu próximo à rotatória da PR-423 e Avenida das Nações, dos quatros abordos uma em estado grave e três com ferimentos moderados, sem risco de morte.

   A Guarda Municipal de Araucária foi a primeira a chegar no local, onde duas ambulâncias e também o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (SIATE) atenderam as vítimas rapidamente. Os helicópteros da Polícia Civil e da Polícia Militar também auxiliaram no resgate das vítimas.

   De acordo com o Capitão Nelson Stocchero, o helicóptero efetuou um pouso forçado por motivos ainda desconhecidos. “O que sabemos é que o piloto foi muito feliz porque conseguiu passar pelo meio dos postes e fios de luz, passar pela área de moradias e aterrissar na parte do canteiro. Isso evitou que o acidente fosse ainda pior”, informou.

   A identificação dos feridos não foi divulgada, mas o Corpo de Bombeiros confirmou que são quatro homens entre 30 e 40 anos. Dois deles foram encaminhados ao Hospital Nossa Senhora do Rocio, um para o Hospital Evangélico e a vítima em estado mais grave chegou inconsciente no Hospital do Trabalhador.











Ibas promove primeira feira de aviação no Brasil; Inscrições abertas

International Brazil Air Show

   O International Brazil Air Show (Ibas), primeiro evento brasileiro focado na indústria aeroespacial, está com inscrições abertas. Com data de realização marcada entre os dias 29 de março a 2 de abril, no Rio Galeão, o evento reunirá diversas atividades relacionadas aos setores aeroportuário, aeroespacial e aeronáutico – a fim de atender ao público do segmento.



   O objetivo, segundo os organizadores, será o de mostrar e trabalhar a longa tradição do País na aeronáutica além de fomentar discussões e promover negócios entre os setores envolvidos. De acordo com a Sator, que organiza o evento, a ideia é que os três primeiros dias sejam voltados para negócios e o final de semana para o público em geral.

   Site para as inscrições do evento aqui:.IBAS
(29 de Março até 02 de Abril)








A Boeing Anuncia mais um novo modelo da variante 787


Novo jato da Boeing o 787-10

   O 787-10 é planejado para ter capacidade de 330 passageiros, com alcance máximo de 11.910 km (6.430 nmi). O modelo é feito para substituir o 777-200, competir com o Airbus A350-900, segundo a Boeing, é mais eficiente que o Airbus em rotas curtas

   O mais novo modelo já tem data para o primeiro voo que vai sair este ano 2017 e a sua primeira entrega já é no ano que vem em 2018, e já tem até o momento 154 pedidos. Os clientes são United Airlines, Air France, KLM e a British Airways. Veja as seguir as fotos e o seu vídeo de lançamento.

Fotos:















Vídeo:



O voo mais longo do mundo foi inagurado

Boeing 777 da Qatar Airways ligou Doha, no Qatar, a Auckland em 16.23 horas. Foi recebido com festa no aeroporto neozelandês, com o voo mais longo do mundo

   Foram 14.535 quilômetros, quase meio mundo. O voo QR920, da Qatar Airways, foi recebido em Auckland, na Nova Zelândia, com canhões de água: eram 7.25 da manhã (18.35 horas e domingo em Portugal) e o Boeing 777-200LR acabou de inaugurar a rota que liga Doha ao norte neozelandês sem qualquer paragem.




   É o mais longo voo comercial da atualidade e proporciona um festival de números. Antes de mais, de fusos horários - foram atravessados dez. Uma eternidade que permitiu servir 1100 taças de café e chá, 2000 bebidas frias e 1036 refeições. Depois, das coisas que há para fazer em tanto tempo: ver a trilogia completa do Senhor dos Anéis e ainda sobrar espaço para esticar as pernas num passeio pela cabine, calcula a companhia aérea. Por fim, da tripulação, quatro pilotos e 15 comissários e hospedeiras.

   A nova rota comercial - cujo preço de ida e volta vai dos 1217 aos 8407 Euros - vem assim bater o recorde que era detido por outra companhia do Golfo, a Emirates, e que só foi mais curto porque o Dubai é mais perto de Auckland do que Doha. O voo inaugurou em março, cobrindo 14.200 quilômetros.

   Quanto a recordes, a ligação Doha- Auckland é a mais longa rota atualmente operada. Mas já se fez uma maior, entretanto suspensa por falta de rentabilidade: a Singapore Airlines ligava, até 2013, Singapura a Newark, na costa leste dos EUA, um voo que se estendia por 19 horas para cobrir 15.300 quilômetros. Mas era tão oneroso que só tinha primeira classe. Já o maior voo de sempre levou quase 23 horas a atravessar 21.500 quilômetros, num teste do Boeing 777-200, sem passageiros.